po4

Mon Amour

Meu amor, sobre a água das fontes, meu amor

Onde o vento as deposita, meu amor

Quando chega a noite, veem-se flutuando

Pétalas de rosa

Meu amor e os muros se racham, meu amor

Expostos ao sol, ao vento, às tempestades e aos anos que passam

Desde a manhã de maio quando eles vieram

E cantando, de repente escreveram nas paredes com a ponta de seus fusiz

Coisas bem estranhas

Meu amor, a roseira segue as marcas, meu amor

E sobre o muro, meu amor

Abraça os nomes deles gravados

E no verão

As rosas são de um vermelho esplêndido

Meu amor, as fontes secaram, meu amor

Expostas ao sol, ao vento da planície e aos anos que se passam

Desde a manhã de maio quando eles vieram

A flor no peito, os pés descalços, o passo lento

E os olhos iluminados por um estranho sorriso

E sobre este muro quando a noite cai

Acredita-se ver manchas de sangue

Mas são apenas rosas!

Aranjuez, meu amor